Inmetro avalia 13 marcas de cadeiras e bancos plásticos


banqueta2Cadeiras e banquetas plásticas são produtos largamente utilizados pela população brasileira, seja para esticar uma conversa com os amigos numa mesa de bar, para comemorar uma data importante em uma festa ou churrasco familiar, ou mesmo para as crianças brincarem, em casa ou na escola. Seus principais atrativos são: o peso reduzido, a facilidade de transporte e o preço.

Entretanto, o seu uso demanda alguns cuidados para o usuário como:  respeitar as orientações descritas nas embalagens do produto, como a de não imprimir uma carga superior à recomendada, não deixá-lo exposto ao sol (a não ser que sejam adequadas ao ambiente externo), conservá-lo adequadamente, entre outras. No que diz respeito aos produtos destinados ao público infantil, esses cuidados devem ser redobrados, uma vez que as crianças não têm a noção de perigo, podendo machucar-se com mais facilidade, sendo, portanto, necessária a vigilância constante dos pais quando do seu uso.

Por outro lado os fornecedores,  cabe aos oferecer um produto que atenda a normas, regulamentos e/ou boas práticas, o que pode minimizar a ocorrência de partes vivas, rebarbas ou mesmo a quebra dos produtos em partes que possam causar danos aos seus usuários.

Motivados pelos relatos de acidentes recebidos por meio do Sistema de Monitoramento de Acidentes de Consumo, o Inmetro resolveu analisar as cadeiras plásticas monobloco infantis e as banquetas plásticas (de uso adulto e infantil), para verificar se elas oferecem a segurança que delas se espera.

Sendo assim,  o Instituo testou cinco marcas de banquetas de plástico para adultos (Arqplast, C&C, Plagon, Plasnew e Tramontina); quatro marcas de banquetas de plástico para crianças (Elka, PlasNorthon, Rischioto e Tramontina); e outras seis marcas de cadeiras plásticas de uso infantil (Dolfin, Marfinite, MB, Paramount, Milplastic, Plasnew).

Foram realizados três tipos de teste eliminatórios, ou seja, as marcas reprovadas em uma etapa não passaram para a avaliação seguinte. Confira aqui o relatório completo do Inmetro

O primeiro teste: suportar o peso de uma pessoa sentando-se normalmente. “Não pode ocorrer trincas, fissuras, quebras, dobramento de pernas na banqueta”, afirma um técnico.

Das nove marcas de banqueta para adultos e crianças, nenhuma foi reprovada. Já no teste das cadeiras infantis, três marcas apresentaram problemas: MB, Paramount e Plasnew. Isso quer dizer que elas podem causar acidentes.

“Ela pode abrir, escorregar, ele cair, podendo fraturar o punho, o cotovelo, ou às vezes até um pequeno ferimento na cabeça ou na coluna”, afirma o médico ortopedista e traumatologista Marcos Musafir.

 Se algumas cadeiras não aguentaram o peso de alguém sentando-se normalmente, imagine quando tem impacto, como acontece no segundo teste? “Esse ensaio simula uma pessoa sentando abruptamente na banqueta”, diz um técnico.

Entre as banquetas para adultos, a da marca Tramontina não passou no teste. Já as banquetas de criança tiveram melhor desempenho: todas suportaram o impacto. As cadeiras infantis das marcas Dolfin e Milplastic, no entanto, não resistiram.

Última etapa: a perigosa balançadinha. As banquetas e cadeiras têm de suportar o peso apenas nas pernas de trás, como se a pessoa estivesse se balançando.

“Quando você fica em dois pés, diminui em 50% a estabilidade da cadeira e aumenta em 50% o risco da pessoa cair”, explica Musafir.

Na análise das banquetas para adultos. Das quatro marcas avaliadas nessa fase, três foram reprovadas: Arqplast, C&C e Plasnew. As banquetas infantis se mostraram mais resistentes: nesse e nos dois testes anteriores, nenhuma das quatro marcas foi reprovada.

Já as cadeirinhas de criança. Das seis marcas, cinco sequer chegaram a ser avaliadas: foram eliminadas nos dois primeiros testes.

Em resposta, os fabricantes das marcas Dolfin, Tramontina, MB, Milpastic e Plasnew disseram que irão adequar seus produtos aos parâmetros utilizados pelo Inmetro. A C&C disse que vai retirar as banquetas plásticas adultas dos postos de venda. Já a Arqplast e a Paramount questionaram a metodologia do teste.

“Diante desses resultados, o Inmetro vai enviar um expediente para a Associação Brasileira de Normas Técnicas solicitando a elaboração de normas técnicas para esses produtos”, afirma André Santos, Gerente da Divisão de Orientação e Incentivo à Qualidade.

Cadeiras e banquetas plásticas são produtos largamente utilizados pela população brasileira, seja para esticar uma conversa com os amigos numa mesa de bar, para comemorar uma data importante em uma festa ou churrasco familiar, ou mesmo para as crianças brincarem, em casa ou na escola. Seus principais atrativos são: o peso reduzido, a facilidade de transporte e o preço.

Entretanto, o seu uso demanda alguns cuidados para o usuário como:  respeitar as orientações descritas nas embalagens do produto, como a de não imprimir uma carga superior à recomendada, não deixá-lo exposto ao sol (a não ser que sejam adequadas ao ambiente externo), conservá-lo adequadamente, entre outras. No que diz respeito aos produtos destinados ao público infantil, esses cuidados devem ser redobrados, uma vez que as crianças não têm a noção de perigo, podendo machucar-se com mais facilidade, sendo, portanto, necessária a vigilância constante dos pais quando do seu uso.

Por outro lado os fornecedores,  cabe aos oferecer um produto que atenda a normas, regulamentos e/ou boas práticas, o que pode minimizar a ocorrência de partes vivas, rebarbas ou mesmo a quebra dos produtos em partes que possam causar danos aos seus usuários.

Motivados pelos relatos de acidentes recebidos por meio do Sistema de Monitoramento de Acidentes de Consumo, o Inmetro resolveu analisar as cadeiras plásticas monobloco infantis e as banquetas plásticas (de uso adulto e infantil), para verificar se elas oferecem a segurança que delas se espera.

Sendo assim,  o Instituo testou cinco marcas de banquetas de plástico para adultos (Arqplast, C&C, Plagon, Plasnew e Tramontina); quatro marcas de banquetas de plástico para crianças (Elka, PlasNorthon, Rischioto e Tramontina); e outras seis marcas de cadeiras plásticas de uso infantil (Dolfin, Marfinite, MB, Paramount, Milplastic, Plasnew).

Foram realizados três tipos de teste eliminatórios, ou seja, as marcas reprovadas em uma etapa não passaram para a avaliação seguinte. Confira aqui o relatório completo do Inmetro

O primeiro teste: suportar o peso de uma pessoa sentando-se normalmente. “Não pode ocorrer trincas, fissuras, quebras, dobramento de pernas na banqueta”, afirma um técnico.

Das nove marcas de banqueta para adultos e crianças, nenhuma foi reprovada. Já no teste das cadeiras infantis, três marcas apresentaram problemas: MB, Paramount e Plasnew. Isso quer dizer que elas podem causar acidentes.

“Ela pode abrir, escorregar, ele cair, podendo fraturar o punho, o cotovelo, ou às vezes até um pequeno ferimento na cabeça ou na coluna”, afirma o médico ortopedista e traumatologista Marcos Musafir.

 Se algumas cadeiras não aguentaram o peso de alguém sentando-se normalmente, imagine quando tem impacto, como acontece no segundo teste? “Esse ensaio simula uma pessoa sentando abruptamente na banqueta”, diz um técnico.

Entre as banquetas para adultos, a da marca Tramontina não passou no teste. Já as banquetas de criança tiveram melhor desempenho: todas suportaram o impacto. As cadeiras infantis das marcas Dolfin e Milplastic, no entanto, não resistiram.

Última etapa: a perigosa balançadinha. As banquetas e cadeiras têm de suportar o peso apenas nas pernas de trás, como se a pessoa estivesse se balançando.

“Quando você fica em dois pés, diminui em 50% a estabilidade da cadeira e aumenta em 50% o risco da pessoa cair”, explica Musafir.

Na análise das banquetas para adultos. Das quatro marcas avaliadas nessa fase, três foram reprovadas: Arqplast, C&C e Plasnew. As banquetas infantis se mostraram mais resistentes: nesse e nos dois testes anteriores, nenhuma das quatro marcas foi reprovada.

Já as cadeirinhas de criança. Das seis marcas, cinco sequer chegaram a ser avaliadas: foram eliminadas nos dois primeiros testes.

Em resposta, os fabricantes das marcas Dolfin, Tramontina, MB, Milpastic e Plasnew disseram que irão adequar seus produtos aos parâmetros utilizados pelo Inmetro. A C&C disse que vai retirar as banquetas plásticas adultas dos postos de venda. Já a Arqplast e a Paramount questionaram a metodologia do teste.

“Diante desses resultados, o Inmetro vai enviar um expediente para a Associação Brasileira de Normas Técnicas solicitando a elaboração de normas técnicas para esses produtos”, afirma André Santos, Gerente da Divisão de Orientação e Incentivo à Qualidade.

About these ads

Um comentário sobre “Inmetro avalia 13 marcas de cadeiras e bancos plásticos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s