Idec alerta para propaganda enganosa de automóveis


Propagandas de carro reforçam as qualidades do produto, mas não revelam que o modelo mostrado na imagem custa muito além do preço informado no anúncio

Ter um carro zero é um dos principais sonhos de consumo de milhões de brasileiros. No entanto, o consumidor deve ter muito cuidado na hora da escolha, principalmente em relação aos anúncios. Uma pesquisa realizada pelo Idec constatou que o carro mostrado com toda pompa costuma valer muito mais do que o preço explicitamente anunciado. Normalmente, o modelo publicado costuma ter uma série de restrições que nem estão informadas claramente para o consumidor.

O Instituto pesquisou nos jornais Folha de S.Paulo e O Estado de S. Paulo e nas revistas especializadas, Quatro Rodas e Autoesporte, no mês de junho. Foram consideradas apenas as propagandas que informavam algum preço. Anúncios sem ambiguidades, subentendidos e sem diferença de preço entre o carro da foto e o valor informado não foram considerados, ou seja, trata-se de uma pesquisa qualitativa, e não quantitativa, pois o Idec considerou que fornecer informações imprecisas é uma prática comum das montadoras.

Assim, o fato de algumas empresas não estarem presentes na pesquisa não quer dizer, portanto, que os anúncios por elas elaborados são sempre precisos em termos de informação, já que a pesquisa se ateve ao que foi publicado no mês de junho. O Idec também identificou que, não raro, as mesmas campanhas publicitárias aqui avaliadas são exibidas na televisão, com o agravante de os detalhes da oferta “piscarem” na tela por pouquíssimos segundos, o que torna praticamente impossível a total compreensão da mensagem.

Forma analisadas propagandas de carro de oito das principais montadoras presentes no país e pesquisou-se nos sites de cada empresa o valor correspondente ao veículo que ilustrava o anúncio. Na maioria dos casos, o preço indicado não condiz com as características do modelo mostrado – nas peças avaliadas, a diferença de preço entre um e outro varia de R$ 900 até mais R$ 15 mil!

Diante desse cenário o órgão aconselha: Se você vir uma propaganda de carro e logo se animar para ir à concessionária, respire fundo, dispa-se do ímpeto consumista, leia as letras miúdas com atenção e, quem sabe, dê alguma risada da desfaçatez dos anunciantes. Provavelmente chegará à conclusão de que não é hora de comprar um carro – ou ao menos vai conseguir fazer a razão prevalecer sobre a emoção.

Veja a tabela abaixo com um resumo do resultado da análise.
Em caso de dificuldade para visualizar, clique em cima da imagem.

 precocarro

A maior diferença entre o preço que aparece em destaque e o valor real do carro anunciado foi encontrada em um anúncio da montadora francesa Citroën: nada menos que R$ 15.370. A publicidade que destacava inúmeros atrativos, enfatizando  o novo modelo de para-brisa e suas vantagens,  anunciava:  “Versões a partir de R$ 39.990” . Entretanto, a versão mais barata com o incrível para-brisa Zenith não sai por menos de R$ 45.160. Com Zenith, motor 122 cavalos e câmbio automático o preço mínimo pula para R$ 55.360.

O Idec avaliou a linguagem abordagem das propaganda e concluiu que a estratégia por trás de anúncios como esse da Citroen é seduzir o consumidor para que ele se disponha a ir a uma concessionária. Na loja, é hora de o vendedor entrar em cena e convencer o cliente a comprar o carro. “Os vendedores costumam usar uma tática constrangedora. Mais ou menos assim: ‘Um carro com esses opcionais custa apenas dois mil a mais. Vamos lá, não é essa pequena diferença que vai impedir que fechemos o negócio’. Aí, a maioria dos clientes, por impulso e constrangimento, acaba batendo o martelo”, explica Fernando Monteiro, professor de ética e legislação publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM).

Para Carlos Thadeu de Oliveira, gerente de testes e pesquisas do Idec, propagandas desse tipo podem ser consideradas enganosas. “As informações essenciais (como dizer que o preço anunciado se refere às versões básicas) não são comunicadas com a mesma clareza utilizada para anunciar as qualidades do veículo. O que é bom é mostrado; o que é ruim, fica escondido.  Isso pode induzir o consumidor a erro”, diz ele.

A Citroen não está sozinha nessa estratégia de Marketing. Um anúncio da montadora Fiat, de quase uma página de jornal, com um Novo Palio todo equipado afirmava: “Até ontem não existia carro nessa categoria com teto solar”. Abaixo da foto principal, vê-se um close do “teto solar elétrico Sky Wind”. Um pouco mais abaixo, o preço: R$ 31.990. No entanto, o carro com as características apresentadas, conforme o site da montadora, sai por R$ 43.647. A versão da foto é a top de linha e com o teto-solar.

Seguido a  moda dos tetos solares ou panorâmicos, para promover seu novo modelo, o 208, a Peugeot alardeia o “teto de vidro panorâmico” ao lado da mensagem “versões com ar-condicionado e air bags a partir de R$ 39.990”. Mas um carro com tudo isso (e também na cor branca, conforme mostra a foto) não sai por menos de R$ 46.490.

O Idec constatou que os anúncios, de uma maneira geral, induzem o consumidor a interpretações equivocadas usando letras miúdas para explicar as restrições dos modelos anunciados. Cabe destacar que essa prática está em desacordo com o Código de Defesa do Consumidor que afirma que  “A informação tem de ser clara, imediata, de fácil compreensão.” Assim, ao ver a propaganda, o consumidor,  tem que entender imediatamente que o preço anunciado não é o do produto exibido na imagem. Não pode ter meio termo, não se pode exigir do consumidor a expertise de decifrar os subentendidos”, acrescenta Monteiro.

2 comments

  1. Aconteceu comigo, acabei comprando um carro que não queria !!!!!
    Converssei depois com o gerente, a vendedora não pode seduzir ou constranger. Aprendi ? Não sei .
    Impliquei com a marca, a concessonaria etc …

  2. Acabei de ver um banner do Citroen C3 por R$ 40.990, claro que a imagem da foto era do modelo top de linha e apontava ítens como teto Zenith e motor de 122 CV, a grande diferença é que não dizia o famoso “a partir de”, estava esse preço e nem letrar miúdas existem no anúncio. Cabe entrar na justiça nesse caso? Até fotos da tela eu tirei.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s