Vai viajar? Confira alguns cuidados que deve ter com a sua saúde


viagemA chegada do décimo terceiro, a proximidade das festas de fim de ano e das férias escolares aumenta a movimentação nos aeroportos e rodovias brasileiras. Na hora de programar a viagem a atenção principal das pessoas é custo com hotel, passagem e pacotes, esquecendo, muitas vezes, de um item importante: o cuidado com a saúde.
Ao escolher o destino é preciso que o viajante colha informações sobre as condições que podem interferir em sua saúde para evitar qualquer eventualidade que atrapalhe esse momento tão especial de lazer. Assim, o tempo de voo, a altitude, as condições climáticas, os hábitos alimentares, a incidência de doenças deve ser investigadas para que possa adotar ações preventivas e evitar complicações previsíveis.  Vale lembrar que algumas doenças são mais comuns em  ma região do que em outras. Por exemplo: a malária tem maior incidência na região Norte, as gripes nas regiões Sul e Sudeste do País e  o mesmo acontece com outros países. Cada região demanda uma medida preventiva.
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária – Anvisa  alerta  que evitar a transmissão de doenças em viagens  é imprescindível a colaboração do viajante  que deve  aos riscos aos quais ele se expõe e aos riscos que ele pode representar para os outros.  Para que você  possa se proteger e aproveita cada momento de sua viagem, reproduzimos abaixo o  Guia de Bolso da Saúde do Viajante na íntegra.

Preparação da Viagem

É importante conhecer, com antecedência à sua viagem, os cuidados que devem ser tomados com a saúde. Consulte seu médico para uma avaliação, principalmente caso possua alguma doença pré-existente.
Evite viajar na vigência de qualquer doença infecciosa aguda. Se precisar fazer uso de medicamentos sob prescrição médica, obtenha a receita e adquira os medicamentos na quantidade suficiente para toda a viagem, pois nem sempre é possível adquirir medicamentos em outros países, sem prescrição médica local ou ingressar em outros países com medicamentos na bagagem, sem as respectivas receitas médicas.
Certos países mantêm com o Brasil acordos internacionais recíprocos, que permitem o atendimento de cidadãos brasileiros pelas redes públicas de saúde. Para saber mais sobre o Certificado de Direito a Assistência Médica, acesse http://sna.saude.gov.br/cdam/.
Considere ainda a possibilidade de contratar um seguro internacional de saúde particular.

Vacinação
Como medida de controle da febre amarela, alguns países exigem dos viajantes o “Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia” para o ingresso em seu território.
Acesse a lista dos países que fazem essa exigência no endereço http://www.who.int/ith/countries/en e clique no link que contém o termo “country list”.
A vacina contra febre amarela deve ser administrada pelo menos dez dias antes da viagem. Ela está disponível nos postos de vacinação, onde será aplicada e registrada no Cartão Nacional de Vacinação, com o número do lote da vacina e o local em que foi realizada.
Para a emissão do “Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia” (CIVP), você deverá procurar os Centros de Orientação ao Viajante da Anvisa, levando o seu Cartão Nacional de Vacinação e um documento de identificação oficial com foto.
Lembre-se que o certificado internacional só será válido para ingresso no país estrangeiro após dez dias a contar da data da vacinação contra febre amarela. Para um rápido atendimento nos Centros de Orientação ao Viajante, você pode se cadastrar antecipadamente no Sistema de Informações de Portos, Aeroportos e Fronteiras, acessível no endereço: http://www.anvisa.gov.br/viajante.
É importante a atualização das vacinas de acordo com o calendário vacinal do Programa Nacional de Imunização do Ministério da Saúde. A rede pública do Sistema Único de Saúde oferece vacinas eficazes e gratuitas.
Outras vacinas também poderão ser recomendadas como medida preventiva ao viajante que se desloca para áreas de risco. Informe-se nos Centros de Orientação ao Viajante se existe essa indicação para o destino da sua viagem.
É bom lembrar que as vacinas geralmente têm um período, que varia entre 10 dias e 6 semanas, até atingir a proteção esperada. Por isso, devem ser aplicadas com a devida antecedência à viagem.

Durante a viagem
Se houver qualquer alteração no seu estado de saúde ainda dentro da aeronave, navio ou transporte terrestre, comunique o fato à equipe de bordo, que tomará as devidas providências e alertará os serviços de controle sanitário nos pontos de entrada.
Em viagens prolongadas, as pessoas suscetíveis a doenças associadas à trombose venosa, como varizes e etc, devem procurar andar e se exercitar o máximo possível, ingerir bastante líquido e evitar bebidas alcoólicas.
A entrada de qualquer medicamento em outros países poderá sofrer fiscalização sanitária, portanto não esqueça a prescrição médica. Lembre-se de levar (preferivelmente na bagagem de mão) os medicamentos necessários durante toda a viagem. Recomenda-se que os medicamentos sejam mantidos na caixa original para melhor identificação, caso necessário.
Fique atento ao volume individual dos recipientes, pois, pelas normas de segurança aérea, somente é permitido levar na bagagem de mão:
• mamadeiras e alimentos infantis industrializados (quando bebês e crianças estiverem viajando);
• medicamentos essenciais acompanhados de prescrição médica (a prescrição deverá possuir o nome do passageiro para ser confrontado com aquele que consta no cartão de embarque);
• medicamentos que não necessitam de prescrição médica: colírio, solução fisiológica para lentes de contato, etc. (desde que não excedam 120ml ou 4oz);
• insulina e líquidos especiais ou gel, para passageiros diabéticos, acompanhados de prescrição médica (desde que não excedam 148 ml ou 5oz);
• cosméticos sólidos (batons, protetor labial ou desodorante em bastão e etc);
Lembramos ainda que existem outros itens não permitidos na bagagem de mão, por questões de segurança. Informe-se com a companhia aérea. Seguindo essas dicas você evita problemas na hora do embarque.

 No País Estrangeiro
Doenças Transmitidas pela Água e Alimentos:
Um problema comum em viagem é a diarréia causada pela ingestão de alimentos ou água contaminados.
Esteja sempre atento à natureza e à qualidade daquilo que você ingere e oferece às crianças.
Observe as medidas básicas de higiene e as seguintes recomendações:
• Lave as mãos com água e sabão várias vezes ao dia, principalmente antes de ingerir alimentos, após utilizar conduções públicas ou visitar mercados ou locais de muito fluxo de pessoas;
• Beba somente água mineral engarrafada.Se não for possível, trate a água disponível com Hipoclorito de sódio a 2,5%, colocando 2 gotas em 1 litro de água e aguardando por 30 minutos antes de consumir;
• Evite adicionar gelo nas bebidas;
• Assegure-se que o alimento esteja bem cozido, frito ou assado;
• Fique atento à temperatura dos alimentos expostos para venda.
Os alimentos perecíveis devem ser mantidos em baixa temperatura (abaixo de 5° C) e os quentes bem aquecidos (acima 60 °C);
• Evite o consumo de frutos do mar crus;
• Moluscos e crustáceos podem conter toxinas que permanecem ativas mesmo após a cocção;
• Não consuma leite nem seus derivados crus;
• Não consuma preparações culinárias que contenham ovos crus;
• Frutas e verduras que possam ser descascadas e cujas cascas estejam íntegras, podem ser consumidas cruas;
• Quando for consumir alimentos exóticos, seja prudente e não exagere;
• Evite o consumo de alimentos vendidos por ambulantes;
• Alimentos embalados devem conter no rótulo a identificação do produtor, data de validade e a embalagem deve estar íntegra.

 Doenças transmitidas por mosquitos e carrapatos:
Estão, normalmente, associadas ao eco-turismo e ao turismo rural, mas podem também ocorrer em áreas urbanas. Nestes casos:• Utilize roupas que protejam contra picadas de insetos: camisas de mangas compridas, calças e sapatos fechados;
• Aplique repelente à base de DEET (dietil-toluamida)  nas áreas expostas da pele. O uso de repelente é contra-indicado para crianças menores de dois anos de idade;
• Para crianças entre 2 e 12 anos de idade o repelente dever ter concentração máxima (de DETT) de 10%;
• Para maiores de 12 anos o repelente deve ter concentração (de DETT) igual ou superior a 30%;
• Verifique atentamente no rótulo a concentração do repelente: ela define a freqüência do uso;
• Lembre-se que o produto deverá ser reaplicado caso a pessoa se molhe ou transpire excessivamente e deve ser utilizado depois da aplicação do protetor solar;
• Antes de dormir tome banho para remover o resíduo de todos os produtos aplicados sobre a pele;
• Dê preferência a locais de hospedagem que possuam ar-condicionado, telas de proteção nas janelas ou utilize mosquiteiro sobre a cama.

Doenças transmitidas por outros animais:
Algumas espécies de aves e mamíferos também podem transmitir doenças infecto-contagiosas, inclusive no meio urbano, portanto:
• Evite contato próximo com aves vivas ou abatidas;
• Caso sofra agressão por mamíferos domésticos ou silvestres, lave imediatamente a área com água e sabão e procure atendimento médico.

Doenças respiratórias:
As doenças respiratórias mais comuns são as gripes e os resfriados, que podem ser causados por uma diversidade de fatores. No caso da gripe, a vacinação pode ajudar, mas normalmente as nossas vacinas são produzidas com base nos vírus mais comuns em circulação no Brasil e podem não proteger contra os vírus circulantes em outros países. Portanto, alimentar-se bem, adotar hábitos saudáveis e higiênicos e evitar o estresse são as formas mais eficazes de prevenção.
A rinite alérgica é uma doença que se confunde com a gripe e pode estar associada a mudanças climáticas e ambientais, como baixas temperaturas, baixa umidade do ar, presença de fungos e pólen, etc. A rinite alérgica não causa febre, exceto se estiver associada a uma infecção.

 Recomendações Gerais:
• Só faça sexo usando preservativo, assim você se protege da Aids e de outras doenças sexualmente transmissíveis;
• Evite exposição excessiva ao sol. Use protetor solar no mínimo 30 minutos antes da exposição (FPS mínimo 15), reaplicando conforme orientação do fabricante. Utilize também óculos de sol e chapéu de aba larga;
• Em caso de adoecimento durante a sua estadia, busque atendimento médico e não faça automedicação.

 Ao retornar
Após o retorno da viagem, caso apresente febre ou outros sintomas como diarréia, problemas de pele ou respiratórios, procure imediatamente um serviço de saúde e informe as regiões que visitou.

Fonte:  Anvisa

One comment

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s