Campanha mundial alerta sobre riscos de cordões de cortina e persianas


Inmetro alerta sobre riscos para crianças de cordões em cortinas e persianas

“Cordões em persianas e cortinas: perigo para todas as crianças” é o tema de campanha mundial da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), envolvendo mais de 20 países — incluindo, além do Brasil, Estados Unidos, México e membros da União Europeia —, de hoje até a próxima quinta-feira, dia 30.

É raro quem olhe para cortinas e persianas e consiga enxergar um potencial de risco de acidente para os pequenos. Mas o fato é que os cordões dos dois acessórios foram responsáveis, só nos Estados Unidos, por cerca de 200 mortes, de 1996 a 2012. A Comissão de Segurança de Produtos americana (CPSC, sigla em inglês) recebe um um relato por mês de morte de criança por sufocamento com cordões de persianas e cortinas. No Brasil, em 15 anos, foram relatados 540 casos de enforcamento. A estatística brasileira não determina o que levou ao acidente, no entanto, especialistas avaliam que nossa realidade deve ser bastante semelhante à americana.

— Embora não tenhamos estatísticas no Brasil, não temos porque achar que a realidade é diferente do que mostram os números das entidades de segurança dos EUA e da União Europeia. O objetivo com a campanha é aumentar a conscientização do risco e incentivar o registro dos acidentes. Sabemos que há uma subnotificação, até porque, muitas vezes, o sentimento de culpa dos responsáveis, que não deveria existir, inibe o registro — ressalta Paulo Coscarelli, assistente da Diretoria de Avaliação da Conformidade do Inmetro, órgão que coordena a campanha no país, com apoio da ONG Criança Segura e do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec).

O maior risco de acidente é com crianças entre zero e 6 anos de idade. Mas segundo Coscarelli, a maior parte dos casos registrados são de crianças na faixa dos 4 anos, que já se movimentam sozinhas pela casa. O laço dos cordões, em altura acessível é o maior risco ao enforcamento, diz ele, acrescentando que uma medida eficaz é cortar o cordão, deixando duas cordas paralelas.

— Nesse caso, continua o risco da criança se pendurar nelas, mas o de enforcamento é bastante reduzido — explica Coscarelli.
cortinaLeia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/economia/defesa-do-consumidor/campanha-mundial-alerta-sobre-riscos-de-cordoes-de-cortina-persianas-19564549#ixzz4CPjP0LwY
© 1996 – 2016. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s